Número total de visualizações de página

terça-feira, 27 de julho de 2010

JOGADORES GRANDES OU GRANDE JOGADORES?

Jogadores grandes ou grande jogadores? Esta pergunta poderá estar ligada entre si ou em alguns casos, nao ter nada a ver.
Queria relembrar, que no nosso país, tradicionalmente(felizmente, cada vez menos), teriamos gerações de jovens demasiados pequenos para este jogo "tão racista"(no que diz respeito à altura). A cada ano que passa conseguimos ter jovens e gerações com médias de alturas mais elevadas. Será que são apostas? ou eternas promessas?
Enquanto tivermos postes baixos nos escalões de formação bem definidos e no lado da bola...estamos a condenar 2 a 3 jogadores ao insucesso futuro, ou seja, o jogador com bola não penetra para o cesto pois tem o poste baixo de 1.80(por vezes culmina com a sua estatura definitiva) à sua frente e especializamos um chamado POSTE BAIXO de 1.80 que num nivel mais elevado encontra um AMERICANO nesta posição de 2.15, ou seja, deixa de ter sucesso.
Como diria um amigo meu ha algum tempo atrás..."Aos grandes posso dar técnica, aos pequenos não posso dar altura".

NOTA: Pedro Belo com 2.14 jogou apenas 29 minutos, media de 6 minutos por jogo.

terça-feira, 13 de julho de 2010

SISTEMAS MOTION

- Apresento aqui, no geral, os sistemas motion que me têm acompanhado nestes ultimos anos como treinador...à cerca de 7 anos, quando treinei a 1ª equipa de iniciados, toda a minha vivência dizia que devia ensinar o jogo com o "famoso" 5 ABERTO, CONFESSO que nunca gostei deste sistema para ensinar o jogo, foi então que com uma ponta de loucura decidi nao ensinar nenhuma forma de disposição dentro de campo...havia apenas uma premissa inicial..."QUEM TEM BOLA DECIDE"...e o que acontece aos outros? (perg. constante de colegas treinadores e jogadores)...à qual sempre respondi, se estiver a atrapalhar(desvantagem) vai para fora de campo(procurar sempre vantagens)...e com esta ideia prossegui o ensinamento do jogo, com base nas capacidades individuais com e sem bola...obrigando os jogadores a decidirem e a serem responsaveis pelas suas acções dentro de campo...descobrirem o jogo.
Parecendo simples, ñ o é, temos que orientar os nossos jogadores para todas as leituras do jogo reduzido e da superioridade numérica(em ataque ou defesa, exemplo. 2x0, 2x1, 1x1, 3x2, 3x3, 2x3, 1x2 etc etc.
Chegara uma fase da aprendizagem em que teremos que "arrumar" um bocadinho a "casa", e é nesta altura que "entram" os sistemas MOTION...estes sistemas permitem ABRIR o jogo, dar mais espectaculo e os jogadores divertirem se mais, tendo como base todos os principios que referi anteriormente.
Porque defendo estes sistemas? Sem duvida que são o futuro do nosso basket, os sistemas FECHADOS, em que os jogadores parecem saidos da PLAYSTATION, comandados por movimentos rigidos que pretendem disfarçar lacunas...Consigo perceber o PORQUÊ dos meus colegas treinadores usarem o jogo FECHADO, pois a mão de obra não é de grande qualidade e por isso joga se com o que há...mas todos nós vamos a tempo de mudar, temos que obrigar os jogadores a decidirem e serem responsaveis pelas suas decisões(não só nas fases de aprendizagem) e NÓS treinadores ajudarmos a indicar qual o melhor caminho para as decisões.
Pensem, reflitam, estudem, procurem respostas...pois só assim conseguiremos tirar o nosso basket do "buraco negro"

"TENS QUE DEIXAR DE ENSINAR NO DIA EM QUE DEIXARES DE APRENDER"

FERNANDO BRAS

terça-feira, 6 de julho de 2010

NOVO RUMO

É com imenso orgulho e alegria que digo "até ja" à grande instituição que é a SIMECQ...no regresso, foram 3 anos fantásticos e muito duros...onde se viveu no limite de todas as premissas do desporto e da sociabilidade.
O que me espera?!...espera me o maior desafio desportivo até à data...um novo mundo...o do profissionalismo...um novo mundo...o ALGÉS...MUNDO esse que espero conquistar com muito trabalho e dedicação a 200%...sei que todos os olhos vão estar na minha mira...e por isso(muito mais por mim e quem apostou em mim) NÃO VOU DESILUDIR..

Obrigado a todos aqueles que me apoiaram e continuarão a apoiar.

Fernando Brás